Pular para o conteúdo principal

MONSIGNOR CARLO MARIA VIGANÒ: ANO 2020

 



Em menos de duas semanas, pela graça de Deus, terminará este 2020 marcado por acontecimentos terríveis e grandes convulsões sociais.

Permita-me formular uma breve reflexão, com a qual dirigir um olhar sobrenatural tanto para o passado recente como para o futuro iminente.

Os meses que deixamos para trás representam um dos momentos mais sombrios da história da humanidade: pela primeira vez, desde o nascimento do Salvador, as Chaves Sagradas foram utilizadas para fechar as igrejas e limitar a celebração da Missa e dos Sacramentos, antecipando a abolição do sacrifício diário profetizado por Daniel, que acontecerá durante o reinado do Anticristo.

Pela primeira vez, a Páscoa da Ressurreição obrigou muitos de nós a comparecer aos cultos pela Internet, privando-nos da Comunhão.

Pela primeira vez tomamos conhecimento, com dor e consternação, da deserção de nossos bispos e nossos párocos, barricados em seus palácios e em sua casa paroquial por medo de uma gripe sazonal que já fez quase o mesmo número de vítimas nos últimos anos.

Vimos - por assim dizer - os generais e oficiais abandonarem o seu exército e, em alguns casos, juntarem-se ao lado inimigo, impondo uma rendição incondicional às razões absurdas da pseudo-pandemia.

Nunca, ao longo dos séculos, tanta pusilanimidade, tanta covardia, tanto desejo de ceder aos nossos perseguidores encontrou terreno fértil naqueles que deveriam ser nossos guias e líderes.

E o que mais escandalizou muitos de nós foi a constatação de que essa traição envolveu muito mais os líderes da Hierarquia do que padres e simples fiéis.

Precisamente do mais alto trono, do qual deveríamos esperar uma intervenção autorizada e firme na defesa dos direitos de Deus, das liberdades da Igreja e da salvação das almas, recebemos os convites para obedecer a leis injustas, normas ilegítimas, ordens irracionais.

E nas palavras que a mídia prontamente espalhou do Santa Marta, reconhecemos muitos, muitos acenos à linguagem iniciática da elite globalista: fraternidade, renda universal, nova ordem mundial, reconstruir melhor, grande reinicialização, nada mais será o mesmo novamente, resiliência .

Todas as palavras da Novilíngua, que testemunham o sentimento idem de quem as pronuncia e de quem as escuta.

Foi uma verdadeira intimidação, uma ameaça não muito velada, com a qual os nossos Pastores ratificaram o alarme pandémico, semearam o terror entre os simples, abandonaram os moribundos e os necessitados a si próprios.

No auge de um legalismo cínico, os padres foram proibidos de ouvir confissões e administrar os últimos sacramentos aos abandonados na terapia intensiva; privar nossos mortos de um enterro religioso, negar o Santíssimo Sacramento a tantas almas.

E se, do lado religioso, nos vimos tratados como estranhos e barramos o acesso às nossas igrejas como os sarracenos do passado, enquanto a invasão implacável de imigrantes irregulares continuava a encher os cofres das autointituladas associações humanitárias; do lado civil e político, descobrimos a vocação à tirania de nossos governantes, que uma retórica agora desmentida pela realidade nos faria considerar como representantes do povo soberano.

Dos chefes de estado aos primeiros-ministros, dos governadores das regiões aos prefeitos, os rigores da lei nos foram impostos quanto a súditos rebeldes, a suspeitos a serem protegidos da privacidade de casa, a criminosos a serem perseguidos na solidão de Beira do mar.

Vimos pessoas arrastadas à força por soldados em trajes de choque, idosos multados ao irem à farmácia, lojistas forçados a manter as portas fechadas, restaurantes que receberam medidas de segurança caras e decretaram seu fechamento.

Ouvimos com perplexidade dezenas e dezenas de especialistas autoproclamados - a maioria deles sem qualquer autoridade científica e em grande parte em sério conflito de interesses devido aos seus vínculos com empresas farmacêuticas ou com organizações supranacionais - pontificando em programas de televisão e nas páginas nos jornais sobre infecções, vacinas, imunidade, positividade aos tampões, obrigatoriedade de máscaras, riscos para os idosos, contagiosidade de assintomáticos, perigo de estar na família.

Eles nos deslumbraram com palavras misteriosas como "distanciamento social" e "encontros", em uma série infinita de contradições grotescas, alarmes absurdos, ameaças apocalípticas, preceitos sociais e cerimônias de saúde que substituíram os ritos religiosos.

E enquanto eles - todos pagavam generosamente por suas intervenções a qualquer hora do dia - aterrorizavam a população, nossos governantes e políticos ostentavam suas máscaras na frente das câmeras e as tiravam o mais rápido possível.

Obrigados a nos disfarçar de seres anônimos e sem rosto, eles nos impuseram um focinho, absolutamente inútil para evitar o contágio e nocivo à saúde, mas essencial para nos fazer sentir submissos e aprovados.

Impediram-nos de sermos tratados com terapêuticas conhecidas e válidas, prometendo-nos uma vacina que agora querem tornar obrigatória antes mesmo de conhecer a sua eficácia, depois de a terem testado de forma incompleta; e para não comprometer os enormes lucros das empresas farmacêuticas, concederam imunidade pelos danos que suas vacinas pudessem causar à população.

Uma vacina gratuita, disseram-nos, mas será paga com o dinheiro do contribuinte, mesmo que os produtores não garantam que irá proteger do contágio.

Nesse cenário que repropõe os efeitos desastrosos de uma guerra, a economia de nossos países está prostrada, enquanto as empresas de comércio online, as empresas de entrega em domicílio, as multinacionais da pornografia enriquecem.

As lojas fecham mas os centros comerciais e supermercados permanecem: monumentos ao consumismo em que qualquer pessoa, mesmo com a Covid, continua a encher o carrinho de produtos estrangeiros, mussarela alemã, laranja marroquina, farinha canadiana, telemóveis e televisores fabricados na China.

O mundo está se preparando para a Grande Restauração, eles nos dizem obsessivamente.

Nada nunca mais será o mesmo. Teremos que nos acostumar a “conviver com o vírus”, sujeito a uma pandemia perpétua que alimenta o farmacêutico Moloch e legitima cada vez mais as limitações odiosas das liberdades fundamentais.

Aqueles que desde a infância nos catequizaram para o culto da liberdade, da democracia, da soberania popular hoje nos governam privando-nos da liberdade em nome da saúde, impondo a ditadura, arrogando-se um poder que ninguém jamais lhes deu, nem de cima nem de baixo.

E aquele poder temporal que a Maçonaria e os Liberais têm contestado ferozmente contra os Romanos Pontífices é hoje reivindicado por eles ao contrário, na tentativa de submeter a Igreja de Cristo ao poder do Estado, com a aprovação e colaboração dos mesmos dirigentes da Hierarquia.

De todo este quadro humanamente desanimador emerge um fato inevitável: há uma divisão entre quem detém a autoridade e quem está sujeito a ela, entre governantes e cidadãos, entre a Hierarquia e os fiéis.

Um monstrum institucional, em que o poder civil e religioso está quase inteiramente nas mãos de personagens inescrupulosos, nomeados por sua inépcia absoluta e amplamente chantageados; seu papel não é administrar a instituição, mas demoli-la, não respeitar suas leis, mas violá-las, não proteger seus membros, mas dispersá-los e removê-los.

Enfim, estamos diante da perversão da autoridade, não por acaso ou inexperiência, mas perseguida com determinação e seguindo um plano pré-estabelecido, um roteiro único sob uma única direção.

Assim, temos governantes que perseguem os cidadãos e os tratam como inimigos, acolhendo e financiando a invasão de criminosos e imigrantes ilegais; policiais e magistrados que prendem e multam quem rompe o distanciamento social, ignorando ostensivamente criminosos, estupradores, assassinos e políticos traidores; professores que não transmitem a cultura e o amor pelo conhecimento, enquanto doutrinam os alunos sobre gênero e globalismo; médicos que se recusam a fornecer tratamento aos doentes, mas impõem uma vacina geneticamente modificada cuja eficácia e efeitos colaterais eles ignoram; Bispos e padres que negam os Sacramentos aos fiéis, mas que nunca perdem a oportunidade de anunciar sua adesão incondicional à agenda globalista em nome da Fraternidade Maçônica.

Os que se opõem a esta derrubada de todos os princípios da vida civilizada encontram-se abandonados, sozinhos, sem um guia que os permita unir forças.

A solidão, de fato, permite que nossos inimigos comuns - como já se tenham comprovado amplamente - instilem o medo, o desespero, a sensação de não podermos ficar juntos para resistir às agressões a que somos submetidos.

Só os cidadãos se defrontam com os abusos do poder civil, só os fiéis se defrontam com a arrogância dos heréticos e perversos Prelados, só quem nas instituições gostaria de discordar, levantar a voz, protestar.

A solidão e o medo aumentam quando lhes damos consistência, ao passo que desaparecem se pensarmos que cada um de nós merecia que a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade se encarnou no ventre puríssimo da Virgem Maria: qui propter nos homines et propter nostram salutem descendit de coelis.

E aqui chegamos aos Mistérios que nos preparamos para contemplar nestes dias: a Imaculada Conceição e o Santíssimo Natal.

Deles, queridos irmãos, podemos extrair uma esperança renovada para enfrentar os acontecimentos que nos esperam.

Antes de mais nada, devemos lembrar que nenhum de nós está realmente só: temos ao nosso lado o Senhor, que sempre quer o nosso bem e por isso nunca nos faz faltar a Sua ajuda e Sua graça, se lhe pedirmos com fé.

Temos ao nosso lado a Santíssima Virgem, Mãe amorosa e nosso refúgio seguro.

Temos perto das hostes dos Anjos e da multidão de Santos, que da glória do Céu intercede por nós ao trono da Majestade divina.

A contemplação desta comunidade sublime que é a Santa Igreja, a Jerusalém mística da qual somos cidadãos e membros vivos, deve nos persuadir de que a última coisa que devemos temer é estarmos sozinhos, e que não há razão para ter medo, mesmo se o diabo vai à loucura para nos fazer acreditar.

A verdadeira solidão está no Inferno, onde as almas condenadas não têm esperança: essa é a solidão de que devemos realmente estar apavorados; e antes disso devemos invocar a perseverança final, isto é, ser capaz de merecer uma morte santa pela misericórdia de Deus.

Uma morte para a qual devemos estar sempre preparados, mantendo-nos em estado de graça, em amizade com o Senhor.

É claro que as provações que estamos enfrentando agora são tremendas, porque nos dão a sensação de que o mal está triunfando, que cada um de nós foi deixado por sua própria conta, que os ímpios conseguiram levar a melhor sobre o pusillus grex e o todo humanidade.

Mas não foi talvez apenas Nosso Senhor no Getsêmani, apenas no bosque da Cruz, apenas no Sepulcro?

 

E voltando ao mistério do Natal agora iminente: não estavam a Madona e São José sozinhos, quando se viram obrigados a refugiar-se num estábulo porque não erat locus illis in diversorio?

Imagine como o suposto pai de Jesus deve ter se sentido, vendo Sua Santíssima Noiva perto do parto, na noite fria da Palestina; pense em suas preocupações sobre a fuga para o Egito, sabendo que o rei Herodes havia libertado seus soldados para matar o Menino Jesus.

Mesmo nessas situações terríveis, a solidão da Sagrada Família era apenas aparente, enquanto Deus organizava tudo de acordo com seus planos, enviou um anjo para anunciar o nascimento do Salvador aos pastores, moveu nada menos que uma estrela para chamar do Oriente os Magos para adorarem o Messias, ele enviou os coros de Seus Anjos para cantar na gruta de Belém, ele alertou São José para fugir para escapar do massacre de Herodes.

Também a nós, na solidão do confinamento a que muitos de nós somos forçados, no abandono no hospital, no silêncio das ruas desertas e das igrejas fechadas ao culto, o Senhor vem trazer a Sua companhia.

Também a nós manda o seu anjo para nos inspirar santos propósitos, a sua Santíssima Mãe para nos consolar, o Paráclito para nos confortar, dulcis hospes animae.

Não estamos sozinhos: nunca estamos.

E é isso, afinal, que os autores da Grande Restauração mais temem: que tomemos consciência dessa realidade sobrenatural - mas não menos verdadeira - que faz desabar o castelo de cartas de seus enganos infernais.

Se pensarmos que temos ao nosso lado aquele que esmaga a cabeça da Serpente, ou o Arcanjo que desembainhou a espada para lançar Lúcifer ao abismo; se nos lembrarmos que nosso anjo da guarda, nosso padroeiro, nossos entes queridos no céu e no purgatório estão conosco: de que devemos temer? Queremos acreditar que o Deus dos exércitos desdobrados tem alguns escrúpulos em derrotar alguns servos dos eternamente derrotados?

Ela que em 630 salvou Constantinopla do cerco, aterrorizando os ávaros e os persas ao aparecer terrível no céu; que em 1091 em Scicli, invocada como a Madonna delle Milizie, ela se mostrou em uma nuvem brilhante expulsando os sarracenos; que em 1571 em Lepanto e que novamente em Viena, em 1683, como Rainha das Vitórias, ela concedeu a vitória ao exército cristão contra os turcos; que durante a perseguição anticatólica ao México ela protegeu os Cristeros e rejeitou o exército dos maçons. Elias Calles não nos negará sua sagrada ajuda, não nos deixará sozinhos na batalha, não abandonará aqueles que se voltam para ela com oração confiante quando o conflito é decisivo e o confronto está chegando ao fim.

Tivemos a graça de entender no que este mundo poderia se transformar se negássemos o senhorio de Deus e o substituíssemos pela tirania de Satanás.

Este é o mundo rebelde contra Cristo Rei e Maria Rainha, no qual todos os dias milhares de vidas inocentes são oferecidas a Satanás no ventre de suas mães; este é o mundo em que o vício e o pecado querem apagar todo traço de bem e virtude, toda lembrança da religião cristã, toda lei e vestígio de nossa civilização, todo traço da ordem que o Criador deu à natureza.

Um mundo em que as igrejas ardem, Cruzes são derrubadas, estátuas da Virgem decapitadas: este ódio, esta fúria satânica contra Cristo e a Mãe de Deus é a marca do Maligno e dos seus servos.

Diante dessa Revolução total, dessa maldita Nova Ordem Mundial que deve preparar o reino do Anticristo, ainda não podemos acreditar que qualquer irmandade seja possível exceto sob a Lei de Deus, nem que seja possível construir a paz exceto sob o manto. da Rainha da Paz.

Pax Christi em Regno Christi.

O Senhor nos dará a vitória, somente quando nos curvarmos a Ele como nosso Rei.

E se ainda não podemos proclamá-lo Rei de nossas nações por causa da impiedade daqueles que nos governam, podemos, no entanto, consagrar-nos, nossas famílias, nossas comunidades a ele.

E àqueles que se atrevem a desafiar o Céu em nome de "Nada será o mesmo", respondemos invocando a Deus com renovado fervor: "Como era no início, e agora e sempre, e para todo o sempre".

Rezemos à Virgem Imaculada, Tabernáculo do Altíssimo, para que na meditação do Santo Natal do seu já próximo Filho divino, possa dissipar o nosso medo e a nossa solidão, reunindo-se com adoração à volta da manjedoura.

Na pobreza do presépio, no silêncio da gruta de Belém ressoa o canto dos Anjos; brilha a verdadeira e única Luz do mundo, adorada pelos pastores e pelos Magos; Arcos de criação adornando a abóbada celestial com um cometa brilhante. Veni, Emmanuel: captivum resolve Israël. Venha, Emanuele: liberte seu povo cativo.

+ Carlo Maria Viganò,

Arcebispo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mensagens de Nossa Senhora a Edson Glauber

  Em 03.04.2021 - Itapiranga-AM.   A paz meus filhos amados, a paz! Meus filhos, eu sua Mae, os convido à oração, à oração, à oração. Escutem o meu chamado que lhes faço. São chamados santos vindos do Senhor. Intercedam pelo bem das famílias, pelo bem de cada um de vocês e do mundo inteiro. Cada palavra que lhes dirijo é importante. Que elas entrem em seus corações e transformem suas vidas. Lembrem-se, meus filhos, quando estiverem desanimados e sem esperança invoquem o meu Imaculado Coração e receberão grandes graças. Recebam agora a minha benção: em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!   Em 04.04.2021 - Itapiranga-AM.   A paz meus filhos amados, a paz! Meus filhos, o amor de Deus é imenso e sem fim. Peçam todos os dias este seu amor divino para vocês e suas famílias e verão o que o Senhor fará pelos seus que os amam. Dediquem-se sempre mais a oração, e assim, o Senhor lhes dará grandes graças que os ajudarão a converter os pecadores mais difíceis. Pers

NOVENA À SANTA JOANA D'ARC

Rezemos pedindo a intercessão de Santa Joana D'Arc pela santificação e conversão dos jovens mais rebeldes, perdidos e ingratos, que se encontram distantes dos três Sagrados Corações unidos de Jesus, Maria e José. I ORAÇÃO: Ó Santa Joana d’Arc, vós que, cumprindo a vontade de Deus, de espada em punho, vos lançastes à luta, por Deus e pela Pátria, ajudai-me a perceber, no meu íntimo, as inspirações de Deus. Com o auxílio da vossa espada, fazei recuar os meus inimigos que atentam contra a minha fé e contra as pessoas mais pobres e desvalidas que habitam nossa Pátria. Santa Joana d’Arc ajudai-me a vencer as dificuldades no lar, no emprego, no estudo e na vida diária. Ó Santa Joana d’Arc atenda ao meu pedido (pedido). E que nada me obrigue a recuar, quando estou com a razão e a verdade, nem opressões, nem ameaças, nem processos, nem mesmo a fogueira. Amém! 1 Pai Nosso, 1 Ave Maria e 1 Glória II ORAÇÃO: Ó mais pura Virgem e Gloriosa má

Mensagens de Nossa Senhora e de São José

  Em 23.03.2021 - Nossa Senhora   A paz ao teu coração! Meu filho, eu venho do céu para chamar o mundo à conversão. Eu desejo ardentemente a salvação de todos os meus filhos. Reze pelos que não acreditam e que continuam com os seus corações endurecidos e fechados para Deus. O Senhor pedirá um dia tanto destas almas e ai daquelas que se apresentarem diante dele com as mãos vazias, sem boas obras. Reze, reze muito para que todos os corações se abram a Deus, enquanto ainda há tempo para isso. Eu te abençoo!   Em 24.03.2021   A paz ao teu coração! Meu filho, seja testemunha da paz de Deus mesmo nas maiores perseguições e provas de tua vida. Nunca te deixes abater pelas dificuldades ou contrariedades, elas sempre existirão e estarão aparecendo em teu caminho espiritual para desanimar-te, mas eu te digo, lute e vença todas as dificuldades com fé e paciência. Os pacientes sempre terão a benção do Senhor. Que tuas orações cheias de amor possam subir ao céu como pedido e súplica