Pular para o conteúdo principal

Cinco bispos contra vacinas produzidas com fetos abortados

 


Quem receberá a vacina Anti-covid em seu corpo, receberá a culpa do aborto, da morte do feto abortado e não escapará da justiça de Deus: seja papa, cardeais, bispos, sacerdotes e fiéis. Todos serão culpados pela morte da criança abortada, porque você carregará o corpo da criança abortada dentro de você, Você acha que Deus ama isso? Serás eliminado pelo castigo divino quando ele cair do céu.
Não caia na mentira dos mentirosos, dos lobos vestidos em pele de cordeiro inseridos no Vaticano. Estão te enganando e te levando pela estrada que leva ao fogo do inferno!

 

Após algumas posições embaraçosas e simplistas do mundo católico sobre a questão do uso de vacinas produzidas com linhagens celulares de fetos abortados, com particular referência à atualidade da vacina anti-COVID, um cardeal e quatro bispos entre os quais Mons.Athanasius Schneider vociferam contra o uso dessas drogas, declarando firmemente que um católico não pode de forma alguma participar, nem mesmo indireta e remotamente, do grande crime contra Deus e a humanidade: o mal absoluto do aborto.

A Renovatio 21 oferece aos leitores uma tradução deste importante documento, que recomendamos ler até o final. Uma verdadeira barreira contra a deriva superficial e por vezes liberal assumida por muitos círculos teoricamente intransigentes, puristas na liturgia, mas incrivelmente permissivos para o que neste documento é justamente definido como "canibalismo biomédico".

O documento foi publicado anteriormente na revista americana Crisis.

A pesquisa biomédica que explora bebês inocentes por nascer e usa seus corpos como "matéria-prima" para vacinas parece mais com canibalismo do que com remédio.

No caso das vacinas obtidas a partir de linhagens celulares de fetos humanos abortados, vemos uma clara contradição entre a doutrina católica de rejeitar categoricamente e sem dúvida o aborto em todos os casos como um grave mal moral que clama por vingança ao céu e prática de considerar vacinas derivadas de linhagens de células fetais abortadas moralmente aceitáveis.

Nas últimas semanas, agências de notícias e várias fontes de informação relataram que, em resposta à emergência do COVID-19, alguns países produziram vacinas usando linhagens celulares de fetos humanos abortados.

Em outros países, tais vacinas estão sendo planejadas. Um coro crescente de clérigos (conferências episcopais, bispos e padres individuais) disse que, caso nenhuma vacina alternativa usando componentes eticamente legais esteja disponível, seria moralmente permitido para os católicos receber vacinas feitas de linhagens celulares de bebês abortados.

Os partidários desta posição invocam dois documentos da Santa Sé: o primeiro, da Pontifícia Academia para a Vida, intitulado "Reflexões morais sobre vacinas preparadas a partir de células derivadas de fetos humanos abortados" e foi publicado em 9 de junho de 2005; a segunda, uma Instrução da Congregação para a Doutrina da Fé, intitulada "Dignitas Personae, sobre alguns temas bioéticos", foi publicada em 8 de setembro de 2008. Ambos os documentos permitem o uso dessas vacinas em casos excepcionais e por um tempo limitado, com base no que na teologia moral é chamado de cooperação com o mal material, remoto e passivo.

Os documentos citados afirmam que os católicos que usam essas vacinas têm “o dever de dar a conhecer a sua discordância e de solicitar que o seu sistema de saúde disponibilize outros tipos de vacinas”.

No caso das vacinas obtidas a partir de linhagens celulares de fetos humanos abortados, vemos uma clara contradição entre a doutrina católica de categoricamente, e sem dúvida, rejeitar o aborto em todos os casos como um grave mal moral que clama aos céus (ver Catecismo da Igreja Católica n. 2268, n. 2270), e a prática de considerar as vacinas derivadas de linhagens de células fetais abortadas moralmente aceitáveis ​​em casos excepcionais de "necessidade urgente" - por razões de cooperação remota e passiva com o mal material. Argumentar que tais vacinas podem ser moralmente legítimas se não houver alternativas é em si mesmo contraditório e não pode ser aceitável para os católicos.

Devem ser lembradas as seguintes palavras do Papa João Paulo II sobre a dignidade da vida humana por nascer:

«A inviolabilidade da pessoa, reflexo da inviolabilidade absoluta de Deus, encontra a sua primeira e fundamental expressão na inviolabilidade da vida humana. Acima de tudo, o protesto comum, que justamente se faz em favor dos direitos humanos - por exemplo, o direito à saúde, à moradia, ao trabalho, à família, à cultura - é falso e ilusório se o direito à vida, o direito mais básico fundamental e condição de todos os demais direitos pessoais, não é defendido com a maior determinação ”(Christifideles Laici, 38).

O uso de vacinas produzidas a partir de células de crianças que ainda não nasceram e que foram assassinadas contradiz uma "determinação máxima" de defender a vida em gestação.

O princípio teológico da cooperação material é certamente válido e pode ser aplicado a toda uma série de casos (por exemplo, no pagamento de impostos, no uso de produtos obtidos do trabalho escravo, e assim por diante). No entanto, esse princípio dificilmente pode ser aplicado ao caso das vacinas obtidas a partir de linhagens de células fetais, porque quem as recebe de forma consciente e voluntária entra em uma espécie de concatenação, embora muito remota, com o processo da indústria do aborto.

O crime do aborto é tão monstruoso que qualquer tipo de concatenação com esse crime, mesmo que muito remota, é imoral e não pode ser aceita em nenhuma circunstância por um católico, uma vez que ele esteja plenamente ciente disso.

Quem usa essas vacinas deve perceber que seu corpo está se beneficiando dos "frutos" (embora passe por uma série de processos químicos) de um dos maiores crimes da humanidade. Qualquer vínculo com o processo de aborto, mesmo o mais remoto e implícito, lançará uma sombra sobre o dever da Igreja de dar testemunho firme de que o aborto deve ser totalmente rejeitado. Os fins nunca podem justificar os meios.

Estamos enfrentando um dos piores genocídios conhecidos pelo homem. Milhões e milhões de bebês em todo o mundo foram abatidos no útero e, dia após dia, este genocídio oculto continua por meio da indústria do aborto, da pesquisa biomédica e da tecnologia fetal, e da pressão de governos e organismos internacionais para promover tais vacinas como um dos objetivos primários.

Agora não é hora de os católicos desistirem; fazer isso seria grosseiramente irresponsável.

A aceitação dessas vacinas pelos católicos, sob o fundamento de que envolvem apenas "cooperação remota, passiva e material" com o mal, iria cair nas mãos dos inimigos da Igreja e enfraquecê-la como último reduto contra o mal absoluto de aborto.

O que mais uma vacina derivada de linhagens de células fetais pode ser senão uma violação da Ordem de Criação dada por Deus?

Porque se baseia numa grave violação desta Ordem através do assassinato de um nascituro. Se a essa criança não tivesse sido negado o direito à vida, se suas células (que foram posteriormente cultivadas várias vezes em laboratório) não tivessem sido disponibilizadas para a produção de uma vacina, não poderiam ser comercializadas.

 

Temos, portanto, aqui uma dupla violação da sagrada Ordem de Deus: por um lado, pelo próprio aborto, e, por outro, pela atroz atividade de tráfico e comercialização dos restos mortais de crianças abortadas. No entanto, este duplo desprezo pela divina Ordem da Criação nunca pode ser justificado, nem mesmo pela razão de preservar a saúde de uma pessoa ou de uma sociedade por meio de tais vacinas.

Nossa sociedade criou uma religião substituta: a saúde tornou-se o bem supremo, um deus substituto a quem os sacrifícios devem ser feitos - neste caso, por meio de uma vacina baseada na morte de outra vida humana.

Ao examinar as questões éticas que envolvem as vacinas, devemos nos perguntar: como e por que tudo isso se tornou possível? Não havia realmente alternativa? Por que a tecnologia baseada em assassinato surgiu na medicina, cujo propósito é, em vez disso, trazer vida e saúde?

A pesquisa biomédica que explora bebês inocentes por nascer e usa seus corpos como "matéria-prima" para vacinas parece mais com canibalismo do que com remédio.

Devemos também considerar que, para alguns na indústria biomédica, as linhagens celulares dos nascituros são um "produto", o abortista e o fabricante da vacina são o "fornecedor" e os destinatários da vacina são os "consumidores".

A tecnologia baseada em assassinato está enraizada no desespero e termina em desespero. Devemos resistir ao mito de que "não há alternativas". Ao contrário, devemos proceder com a esperança e a convicção de que existem alternativas e que a engenhosidade humana, com a ajuda de Deus, pode descobri-las. Esta é a única maneira de ir das trevas para a luz e da morte para a vida.

O Senhor disse que no final dos tempos até os eleitos serão seduzidos (cf. Mc 13,22). Hoje, toda a Igreja e todos os fiéis católicos devem procurar com urgência fortalecer-se na doutrina e na prática da fé.

Ao lidar com o mal do aborto, os católicos devem mais do que nunca "abster-se de qualquer aparência do mal" (1 Tessalonicenses 5:22).

A saúde física não é um valor absoluto. A obediência à lei de Deus e a salvação eterna das almas devem ter o primado.

Vacinas derivadas de células de bebês em gestação assassinados cruelmente têm um caráter claramente apocalíptico e podem prenunciar a marca da besta (ver Apocalipse 13:16).

Alguns clérigos modernos tranquilizam os fiéis, afirmando que receber uma vacina COVID-19 derivada de linhagens celulares de um bebê abortado é moralmente legítimo se uma alternativa não estiver disponível. Eles justificam sua afirmação com base na "cooperação material e remota" com o Mal.

Essas alegações são extremamente anti-pastorais e contraproducentes, especialmente considerando a natureza cada vez mais apocalíptica da indústria do aborto e a natureza desumana de algumas pesquisas biomédicas e tecnologias embrionárias.

 Agora, mais do que nunca, os católicos não podem encorajar e promover categoricamente o pecado do aborto, mesmo o mais leve, aceitando essas vacinas. Portanto, como Sucessores dos Apóstolos e Pastores responsáveis ​​pela salvação eterna das almas, consideramos impossível calar e manter uma atitude ambígua quanto ao nosso dever de resistir com "a maior determinação" (Papa João Paulo II) ao "crime indizível do aborto" (Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, 51).

Esta declaração foi escrita a conselho e conselho de médicos e cientistas de vários países. Uma contribuição substancial veio também dos leigos: avós, avós, pais e mães de família e também dos jovens. Todos os sujeitos consultados - independentemente da idade, nacionalidade e profissão - rejeitaram de forma unânime e quase instintiva a ideia de uma vacina derivada de linhagens celulares de crianças abortadas. Além disso, consideraram a justificativa oferecida para o uso dessas vacinas fraca e inadequada (ou seja, "cooperação material por um longo período de tempo").

Isso é reconfortante e, ao mesmo tempo, muito revelador: sua resposta unânime é mais uma demonstração da força da razão e do sensus fidei.

Precisamos mais do que nunca do espírito de confessores e mártires que evitam a menor suspeita de colaboração com o mal de seu tempo.

A Palavra de Deus diz: "Sede simples como filhos de Deus, sem censura, no meio de uma geração depravada e perversa, na qual deves brilhar como luz no mundo" (Fl 2,15).

12 de dezembro de 2020, Memória da Bem-Aventurada Virgem Maria de Guadalupe.

 

Cardeal Janis Pujats, arcivescovo metropolita emerito di Riga

 

+ Tomash Peta, Arcebispo metropolita dell’arcidiocesi di Santa Maria ad Astana

 

+ Jan Pawel Lenga, arcivescovo / Bispo emerito di Karaganda

 

+ Joseph E. Strickland, Bispo di Tyler (USA)

 

+ Athanasius Schneider, Bispo ausiliare dell’arcidiocesi di Santa Maria ad Astana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mensagens de Nossa Senhora a Edson Glauber

  Em 03.04.2021 - Itapiranga-AM.   A paz meus filhos amados, a paz! Meus filhos, eu sua Mae, os convido à oração, à oração, à oração. Escutem o meu chamado que lhes faço. São chamados santos vindos do Senhor. Intercedam pelo bem das famílias, pelo bem de cada um de vocês e do mundo inteiro. Cada palavra que lhes dirijo é importante. Que elas entrem em seus corações e transformem suas vidas. Lembrem-se, meus filhos, quando estiverem desanimados e sem esperança invoquem o meu Imaculado Coração e receberão grandes graças. Recebam agora a minha benção: em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!   Em 04.04.2021 - Itapiranga-AM.   A paz meus filhos amados, a paz! Meus filhos, o amor de Deus é imenso e sem fim. Peçam todos os dias este seu amor divino para vocês e suas famílias e verão o que o Senhor fará pelos seus que os amam. Dediquem-se sempre mais a oração, e assim, o Senhor lhes dará grandes graças que os ajudarão a converter os pecadores mais difíceis. Pers

NOVENA À SANTA JOANA D'ARC

Rezemos pedindo a intercessão de Santa Joana D'Arc pela santificação e conversão dos jovens mais rebeldes, perdidos e ingratos, que se encontram distantes dos três Sagrados Corações unidos de Jesus, Maria e José. I ORAÇÃO: Ó Santa Joana d’Arc, vós que, cumprindo a vontade de Deus, de espada em punho, vos lançastes à luta, por Deus e pela Pátria, ajudai-me a perceber, no meu íntimo, as inspirações de Deus. Com o auxílio da vossa espada, fazei recuar os meus inimigos que atentam contra a minha fé e contra as pessoas mais pobres e desvalidas que habitam nossa Pátria. Santa Joana d’Arc ajudai-me a vencer as dificuldades no lar, no emprego, no estudo e na vida diária. Ó Santa Joana d’Arc atenda ao meu pedido (pedido). E que nada me obrigue a recuar, quando estou com a razão e a verdade, nem opressões, nem ameaças, nem processos, nem mesmo a fogueira. Amém! 1 Pai Nosso, 1 Ave Maria e 1 Glória II ORAÇÃO: Ó mais pura Virgem e Gloriosa má

Mensagens de Nossa Senhora e de São José

  Em 23.03.2021 - Nossa Senhora   A paz ao teu coração! Meu filho, eu venho do céu para chamar o mundo à conversão. Eu desejo ardentemente a salvação de todos os meus filhos. Reze pelos que não acreditam e que continuam com os seus corações endurecidos e fechados para Deus. O Senhor pedirá um dia tanto destas almas e ai daquelas que se apresentarem diante dele com as mãos vazias, sem boas obras. Reze, reze muito para que todos os corações se abram a Deus, enquanto ainda há tempo para isso. Eu te abençoo!   Em 24.03.2021   A paz ao teu coração! Meu filho, seja testemunha da paz de Deus mesmo nas maiores perseguições e provas de tua vida. Nunca te deixes abater pelas dificuldades ou contrariedades, elas sempre existirão e estarão aparecendo em teu caminho espiritual para desanimar-te, mas eu te digo, lute e vença todas as dificuldades com fé e paciência. Os pacientes sempre terão a benção do Senhor. Que tuas orações cheias de amor possam subir ao céu como pedido e súplica